Leituras de 16/01/11


ANO LITÚRGICO “A” – II SEMANA DO TEMPO COMUM

Domingo, 16 de janeiro de 2011

II DOMINGO DO TEMPO COMUM

Verde – Glória – Creio – II Semana do Saltério

******************************************

Antífona: Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo! (Sl 65,4).


Oração do Dia:
Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a vossa paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura: Isaías 49, 3.5-6

Leitura do livro do profeta Isaías:

49 3 E disse-me o Senhor: “Tu és meu servo, (Israel), em quem me rejubilarei”.
5 E agora o Senhor fala, ele, que me formou desde meu nascimento para ser seu Servo, para trazer-lhe de volta Jacó e reunir-lhe Israel, (porque o Senhor fez-me esta honra, e meu Deus tornou-se minha força).
6 Disse-me: “Não basta que sejas meu servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os fugitivos de Israel; vou fazer de ti a luz das nações, para propagar minha salvação até os confins do mundo”.

Palavra do Senhor.
Graças a Deus!


Salmo Responsorial: 40/39

Eu disse: “Eis que venho, Senhor,
com prazer faço a vossa vontade!”

Esperando, esperei no Senhor
e, inclinando-se, ouviu meu clamor.
Canto novo ele pôs em meus lábios,
um poema em louvor ao Senhor.

Sacrifício e oblação não quisestes,
mas abristes, Senhor, meus ouvidos;
não pedistes ofertas nem vítimas,
holocaustos por nossos pecados.

E então eu vos disse: “Eis que venho!”
Sobre mim está escrito no livro:
“Com prazer faço a vossa vontade,
guardo em meu coração vossa lei!”

Boas novas de vossa justiça
anunciei numa grande assembléia;
vós sabeis: não fechei os meus lábios!

Segunda Leitura: 1ª Coríntios 1, 1-3

Leitura da primeira carta de são Paulo aos Coríntios:

11 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo por chamamento e vontade de Deus, e o irmão Sóstenes,

2 à igreja de Deus que está em Corinto, aos fiéis santificados em Jesus Cristo, chamados à santidade, juntamente com todos os que, em qualquer lugar que estejam, invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso;

3 A vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!

Palavra do Senhor.

Graças a Deus!

Evangelho: João 1, 29-34

Aleluia, aleluia, aleluia.

A palavra se fez carne, entre nós ela acampou; todo aquele que a acolheu, de Deus filho se tornou (Jo 1,14.12).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João:

Naquele tempo, 129 no dia seguinte, João viu Jesus que vinha a ele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

30 É este de quem eu disse: ´Depois de mim virá um homem, que me é superior, porque existe antes de mim´.

31 Eu não o conhecia, mas, se vim batizar em água, é para que ele se torne conhecido em Israel”.

32 João havia declarado: “Vi o Espírito descer do céu em forma de uma pomba e repousar sobre ele.

33 Eu não o conhecia, mas aquele que me mandou batizar em água disse-me: ´Sobre quem vires descer e repousar o Espírito, este é quem batiza no Espírito Santo´.

34 Eu o vi e dou testemunho de que ele é o Filho de Deus”.

Palavra da Salvação.

Graças a Deus!

Como uma pomba… (Jo 1, 29-34)

Dou a palavra a Lev Gillet, que por muitos anos se manteve anônimo sob o pseudônimo de “um monge da Igreja do Oriente”:

“João vê o Espírito descer do céu como uma pomba e pousar sobre Jesus. Este traço é de importância fundamental. O movimento do Espírito – naquilo que se torna manifesto aos homens – é um movimento PARA JESUS, um movimento orientado e dirigido para o Cordeiro.” Esquecer esta verdade é desviar-se do caminho.

“Desde já, devemos – e de um modo radical – rejeitar a quimera que perdeu tantas inteligências, aliás nobres e piedosas. Referimo-nos ao sonho de um “terceiro reino”, o reino do Espírito que substituiria a Jesus – um reino final que sucederia ao Reino do Pai. Não existe reino do Espírito independente do “Reino de Deus”, o que anuncia o Evangelho e do qual Jesus Cristo é o dispensador. Mais do que ator, e sendo ele mesmo todo ação e realização, o Espírito Santo constitui o instrumento deste Reino; e o instrumento age de maneira tão perfeita, coincide tão estreitamente com a obra, que o próprio Espírito se identifica com o Reino.”

Não admira que, em alguns manuscritos muito antigos do Evangelho de São Lucas, a Oração do Senhor – o Pai Nosso – traga uma petição pelo Espírito exatamente ali onde pedimos pelo Reino. Mesmo assim, o Espírito não se faz de “possuidor”. Se o Espírito é Rei, “sua realeza consiste em inclinar seus súditos para Aquele que disse a Pilatos: ‘Eu sou Rei’ (cf. Jo 19, 37). A ação do Espírito, seu reinado invisível sobre as almas, cria e manifesta a Realeza do Verbo feito carne”.

Sim, nossa Igreja é cristocêntrica. Não é pneumatocêntrica. O lugar central no cristianismo não é ocupado pelo Espírito Santo, mas por Jesus. Desde Pentecostes, a Pomba de fogo que vem sobre cada um, em forma de línguas individuais, leva a confessar Jesus como Senhor e Salvador. Só nesse Espírito podemos dizer “Abba”, como diz o Filho (cf. Gl 4, 6), reconhecendo a Deus como nosso Pai.

“A Pomba desce sobre o Cordeiro para no-lo mostrar. O Espírito Santo desperta e aviva em nós a lembrança de Jesus. Mas estas palavras são fracas. O Espírito põe Jesus diante de nós. Ele traça diante de nós a imagem, a Pessoa do Salvador. Ele é o eco da Palavra. Ele é o ressonador, o amplificador do Verbo de Deus.”

O Espírito revela Jesus. E Jesus nos conduz ao Pai.


Orai sem cessar:
“O Espírito e a esposa dizem: Vem!” (Ap 22, 17)


Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

santini@novaalianca.com.br http://www.novaalianca.com.br

********************************

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

São Cirilo de Alexandria (380-444), bispo e Doutor da Igreja

Sobre Isaías, IV, 2 (a partir da trad. Sr Isabelle de la Source, lire la Bible, t. 6, p. 116)

«Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo»

«Cantai, ó céus, a obra do Senhor! Exultai de alegria, ó profundezas da terra! Saltai de júbilo, vós, montanhas, e tu, bosque, com todas as tuas árvores, porque o Senhor resgatou Jacó, manifestou a Sua glória em Israel» (Is 44, 23). Pode-se facilmente concluir desta passagem de Isaías que a remissão dos pecados, a conversão e redenção dos homens, anunciada pelos profetas, se cumpre em Cristo nos últimos dias. Com efeito, quando Deus, o Senhor, nos apareceu, quando Se fez homem, vivendo com os habitantes da terra, Ele, o verdadeiro Cordeiro que tira o pecado do mundo, Ele, a vítima totalmente pura, que grande motivo de júbilo para as forças do alto e os espíritos celestiais, para todas as ordens dos santos anjos! Eles cantavam, eles cantavam o Seu nascimento segundo a carne: «Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do Seu agrado» (Lc 2, 14).

Se é verdade, conforme a palavra do Senhor – e é absolutamente verdade –, que «haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte» (Lc 15, 7), como duvidar de que haja alegria e júbilo nos espíritos do alto, quando Cristo traz à terra inteira o conhecimento da verdade, chama à conversão, justifica pela fé, torna brilhante de luz pela santificação? «Os céus rejubilam porque Deus teve misericórdia», não apenas para com Israel segundo a carne, mas para com Israel compreendido segundo o espírito. «Os fundamentos da terra», ou seja, os ministros sagrados da pregação do Evangelho, «tocaram a trombeta». A sua voz retumbante chegou a toda a parte; como as trombetas sagradas, ela ressoou em todas as partes. Eles anunciaram a glória do Salvador por todos os lugares, chamaram ao conhecimento de Cristo tanto os judeus como os pagãos.

****************************************

TEMPO COMUM. SEGUNDO DOMINGO. CICLO A

7. O CORDEIRO DE DEUS

Por Francisco Fernández-Carvajal, sacerdote

– Figura e realidade deste título com que o Batista designa Jesus no começo da sua vida pública.

– A esperança de sermos perdoados. O exame, a contrição e o propósito de emenda.

– A confissão freqüente, caminho para a delicadeza de alma e para alcançar a santidade.

I. HÁ POUCOS DIAS, contemplávamos Jesus nascido em Belém, adorado pelos pastores e pelos Magos, “mas o Evangelho deste domingo leva-nos uma vez mais às margens do Jordão, onde, trinta anos depois do seu nascimento, João Batista prepara os homens para a vinda do Senhor. E quando ele vê Jesus que vinha ao seu encontro, diz: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1, 29) […]. Estamos acostumados às palavras Cordeiro de Deus, e, no entanto, são palavras sempre maravilhosas, misteriosas, são palavras poderosas”1.

Que ressonância não teria essa expressão nos ouvintes que conheciam o significado do cordeiro pascal, cujo sangue fora derramado na noite em que os judeus tinham sido libertados da escravidão no Egito! Além disso, todo o israelita conhecia bem o texto em que Isaías comparava os sofrimentos do Servo de Javé, o Messias, ao sacrifício de um cordeiro2. O cordeiro pascal que se sacrificava cada ano no Templo evocava não só a libertação, mas também o pacto que Deus tinha feito com o seu povo: era promessa e figura do verdadeiro Cordeiro, Cristo, que se ofereceria como Vítima no sacrifício do Calvário em favor de toda a humanidade. Ele é o verdadeiro Cordeiro que tirou o pecado do mundo, que morrendo destruiu a morte e ressuscitando nos deu a vida3. Por sua vez, São Paulo dirá aos primeiros cristãos de Corinto que Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado4, e convida-os a uma vida nova, a uma vida santa.

A expressão “Cordeiro de Deus” foi muito meditada e comentada pelos teólogos e autores espirituais; trata-se de um título “rico em conteúdo teológico. É um desses recursos da linguagem humana que tenta expressar uma realidade plurivalente e divina. Ou, para dizê-lo melhor, é uma dessas expressões cunhadas por Deus para revelar algo muito importante sobre si mesmo”5.

Desde os primeiros tempos, a arte cristã representou Jesus Cristo, Deus e Homem, sob a figura do Cordeiro pascal. Quando a iconografia o retrata recostado sobre o Livro da vida, quer recordar um ensinamento fundamental da nossa fé: Jesus é Aquele que tira o pecado do mundo, Aquele que foi sacrificado e possui todo o poder e sabedoria. Diante dEle prostram-se em adoração os vinte e quatro anciãos, segundo a visão do Apocalipse6; é Ele quem preside à grande ceia das bodas nupciais, quem recebe a Esposa, quem purifica com o seu sangue os bem-aventurados…, e quem é o único que pode abrir o livro dos sete selos: o Princípio e o Fim, o Alfa e o Ômega, o Redentor cheio de mansidão e o Juiz onipotente que há de vir retribuir a cada um segundo as suas obras7.

Este é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo
, anuncia São João Batista; e este pecado do mundo engloba todo o gênero de pecados: o original, que em Adão afetou também os seus descendentes, e os pessoais dos homens de todos os tempos. No Cordeiro de Deus está a nossa esperança de salvação.

A profecia de Isaías cumpriu-se no Calvário e torna a atualizar-se em cada Missa, tal como se recorda hoje na oração sobre as oferendas: Todas as vezes que celebramos este sacrifício, torna-se presente a nossa redenção8. A Igreja quer que agradeçamos ao Senhor por ter Ele querido entregar-se até à morte pela nossa salvação, por ter querido ser alimento das nossas almas9.

II. O CORDEIRO DE DEUS que tira o pecado do mundo. Jesus converteu-se no Cordeiro imaculado10, que se imolou com docilidade e mansidão absolutas para reparar as faltas dos homens, os seus crimes, as suas traições. É um título muito expressivo “porque – comenta Frei Luís de Granada – a palavra Cordeiro, referida a Cristo, significa três coisas: mansidão de condição, pureza e inocência de vida, satisfação de sacrifício e de oferenda”11.

É notável a insistência de Cristo na sua constante chamada aos pecadores: Pois o Filho do homem veio salvar o que estava perdido12. Ele lavou os nossos pecados no seu sangue13. A maior parte dos seus contemporâneos conhecia-o precisamente por essa atitude misericordiosa; os escribas e fariseus murmuravam e diziam: Ele recebe os pecadores e come com eles14. E surpreendem-se porque perdoa a mulher adúltera com umas palavras muito simples: Vai e não peques mais15. E dá-nos a mesma lição na parábola do publicano e do fariseu: Senhor, tem piedade de mim, que sou um pecador16, e na parábola do filho pródigo… A relação dos seus ensinamentos e dos seus encontros misericordiosos seria interminável, gozosamente interminável. Podemos nós perder a esperança de conseguir o perdão, quando é Cristo quem perdoa? Podemos nós perder a esperança de receber as graças necessárias para sermos santos, quando é Cristo quem no-las pode dar? Isto nos cumula de paz e de alegria.

Como prova concreta desses sentimentos do Senhor, contamos com o sacramento do perdão, que nos concede as graças necessárias para lutarmos e vencermos os defeitos que talvez estejam arraigados no nosso caráter, e que são muitas vezes a causa do nosso desalento. Como é que o aproveitamos? Como é que nos esforçamos por extrair dele todas as graças que o Senhor nos quer conceder?

Para isso, vejamos como são o nosso exame de consciência, a dor dos nossos pecados e o nosso propósito de emenda. “Poder-se-ia dizer que são, respectivamente, atos próprios da fé, que nos leva ao conhecimento sobrenatural da nossa conduta, de acordo com as nossas obrigações; do amor, que agradece os dons recebidos e chora a sua falta de correspondência; e da esperança, que vai à luta no tempo que Deus concede a cada um para que se santifique. E assim como dessas três virtudes a maior é o amor, assim a dor – a compunção, a contrição – é o elemento mais importante do exame de consciência; se não desemboca na dor, talvez isso indique que estamos dominados pela cegueira, ou que o objetivo da nossa revisão de vida não procede do amor a Deus. Mas, quando as nossas faltas nos levam a essa dor […], o propósito brota de um modo imediato, decidido, eficaz”17.

Senhor, ensinai-me a arrepender-me, indicai-me o caminho do amor! Movei-me com a vossa graça à contrição quando eu tropeçar! Que as minhas fraquezas me levem a amar-vos cada vez mais!

III. “JESUS CRISTO traz-nos a chamada à santidade e dá-nos continuamente a ajuda necessária para a nossa santificação. Dá-nos continuamente o poder de chegarmos a ser filhos de Deus, como proclama a liturgia de hoje no canto do Aleluia. Esta força de santificação do homem […] é o dom do Cordeiro de Deus”18.

O caminho da santidade percorre-se mediante uma contínua purificação do fundo da alma, que é condição essencial para amarmos cada dia mais a Deus. Por isso o amor à confissão freqüente é um sintoma claro de delicadeza interior, de amor a Deus; e o desprezo ou indiferença por ela – que se revelam quando surgem facilmente a desculpa ou o atraso – indicam falta de finura de alma e talvez tibieza, grosseria e insensibilidade para as moções que o Espírito Santo suscita no coração.

De cada vez que recebemos o sacramento da Penitência, ouvimos, como Lázaro, aquelas palavras de Cristo: Desatai-o e deixai-o ir19, porque as faltas, as fraquezas, os pecados veniais… atam e prendem o cristão, não o deixando seguir o seu caminho com rapidez. “E assim como o defunto saiu ainda atado, aquele que vai confessar-se ainda é réu. Para que fique livre dos seus pecados, o Senhor diz aos seus ministros: Desatai-o e deixai-o ir…”20 O sacramento da Penitência rompe todos os liames com que o demônio tenta segurar-nos para que não apressemos o passo no seguimento de Cristo.

A confissão freqüente dos nossos pecados está muito relacionada com a santidade, pois nela o Senhor afina a nossa alma e nos ensina a ser humildes. A tibieza, pelo contrário, cresce onde aparecem o desleixo e o descaso, as negligências e os pecados veniais sem arrependimento sincero. Na confissão contrita, deixamos a alma clara e limpa. E, como somos fracos, só a confissão freqüente permitirá um estado permanente de limpeza e de amor.

“Um dos principais motivos para o alto apreço em que devemos ter a confissão freqüente é que, se bem praticada, torna totalmente impossível um estado de tibieza. Esta é convicção que leva a Santa Igreja a recomendar com tanta insistência […] a confissão freqüente ou a confissão semanal”21. E é por isso que devemos esforçar-nos por cuidar da sua pontualidade e por aproximar-nos dela com seriedade cada vez maior.

Cristo, Cordeiro imaculado, veio limpar-nos dos nossos pecados, não só dos graves, mas também das impurezas e das faltas de amor da vida diária. Examinemos hoje com que amor nos aproximamos do sacramento da Penitência e vejamos se o fazemos com a freqüência que o Senhor nos pede.

(1) João Paulo II, Homilia, 18-III-1981; (2) cfr. Is 53, 7; (3) Missal Romano, Prefácio Pascal I; (4) 1 Cor 5, 7; (5) A. García Moreno, “Jesucristo, Cordero de Dios”, em Cristo, Filho de Deus e Redentor do homem, III Simpósio Internacional de Teología, EUNSA, Pamplona, 1982, pág. 269; (6) Cfr. Apoc 19; (7) A. García Moreno, op. cit., págs. 292-293; (8) Missal Romano, Segundo domingo do Tempo Comum, Oração sobre as oferendas; (9) cfr. Sagrada Bíblia, Santos Evangelhos, 2a ed., EUNSA, Pamplona, 1985, págs. 1154-1155; (10) Cfr. João Paulo II, op. cit.; (11) Frei Luis de Granada, Los nombres de Cristo, em “Obras Completas Castellanas”, BAC, Madrid, 1957, I, pág. 806; (12) Mt 18, 11; (13) Apoc 1, 5; (14) Mt 11, 19; (15) Jo 8, 11; (16) Lc 18, 13; (17) A. del Portillo, Carta, 8-XII-1976, n. 16; (18) João Paulo II, op. cit.; (19) Jo 11, 44; (20) Santo Agostinho, Comentário ao Evangelho de São João, 29, 24; (21) B. Baur, La confesión frecuente, Herder, Barcelona, 1974, págs. 106-107.

Anúncios
Esse post foi publicado em Geral. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s