Leituras de 26 /02/11


ANO LITÚRGICO “A” – VII SEMANA DO TEMPO COMUM

Sábado, 26 de fevereiro de 2011

Verde – Ofício do Dia

******************************************

Antífona: Confiei, Senhor, na vossa misericórdia; meu coração exulta porque me salvais. Cantarei ao Senhor pelo bem que me fez (Sl 12,6).

Oração do Dia: Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Primeira Leitura: Eclesiástico 17, 1-13

Leitura do livro do Eclesiástico:

17 1 Deus criou o homem da terra, formou-o segundo a sua própria imagem;
2 e o fez de novo voltar à terra. Revestiu-o de força segundo a sua natureza;
3 determinou-lhe uma época e um número de dias. Deu-lhe domínio sobre tudo o que está na terra.

4 Fê-lo temido por todos os seres vivos, fê-lo senhor dos animais e dos pássaros.

5 De sua própria substância, deu-lhe uma companheira semelhante a ele, com inteligência, língua, olhos, ouvidos, e juízo para pensar; cumulou-os de saber e inteligência.

6 Criou neles a ciência do espírito, encheu-lhes o coração de sabedoria, e mostrou-lhes o bem e o mal.

7 Pôs o seu olhar nos seus corações para mostrar-lhes a majestade de suas obras,

8 a fim de que celebrassem a santidade do seu nome, e o glorificassem por suas maravilhas, apregoando a magnificência de suas obras.

9 Deu-lhes, além disso, a instrução, deu-lhes a posse da lei da vida;
10 concluiu com eles um pacto eterno, e revelou-lhes a justiça de seus preceitos.
11 Viram com os próprios olhos as maravilhas da sua glória, seus ouvidos ouviram a majestade de sua voz: Guardai-vos, disse-lhes ele, de toda a iniqüidade.

12 Impôs a cada um (deveres) para com o próximo.

13 O proceder deles lhe está sempre diante dos olhos, nada lhe escapa.

Palavra do Senhor.

Graças a Deus!

Salmo Responsorial: 103/102

O amor do Senhor por quem o respeita
é de sempre e para sempre.

Como um pai se compadece de seus filhos,
o Senhor tem compaixão dos que o temem.
Porque sabe de que barro somos feitos
e se lembra que apenas somos pó.

Os dias do homem se parecem com a erva,
ela floresce como a flor dos verdes campos;
mas, apenas sopra o vento, ela se esvai,
já nem sabemos onde era o seu lugar.

Mas o amor do Senhor Deus por quem o teme
é de sempre e perdura para sempre;
e também sua justiça se estende
por gerações até os filhos de seus filhos,
aos que guardam fielmente sua aliança.

Evangelho: Marcos 10, 13-16

Aleluia, aleluia, aleluia.

Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelaste os mistérios do teu reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas:

Naquele tempo, 1013 apresentaram-lhe então crianças para que as tocasse; mas os discípulos repreendiam os que as apresentavam.

14 Vendo-o, Jesus indignou-se e disse-lhes: “Deixai vir a mim os pequequinos e não os impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se lhes assemelham.

15 Em verdade vos digo: todo o que não receber o Reino de Deus com a mentalidade de uma criança, nele não entrará.”

16 Em seguida, ele as abraçou e as abençoou, impondo-lhes as mãos.

Palavra da Salvação.

Glória a Vós, Senhor!

Jesus indignou-se… (Mc 10, 13-16)

Jesus, o “cordeiro” de Deus, manso e humilde de coração, raras vezes se deixou indignar. Perder as estribeiras, como diria minha avó. Uma delas, quando viu a Casa de Deus travestida em mercado de animais, lugar de vil comércio. Improvisando um chicote de cordas, deixou-se tomar da mais santa fúria e tocou os animais para fora do local, derrubando as bancas dos camelôs do Templo. Afinal, mudar o Templo em caravançará era mesmo uma profanação do sagrado… O espaço de adoração a Deus fora invadido pelo cheiro de estrume e pelo pregão dos vendedores…

Desta vez, Jesus fica indignado porque os zelosos discípulos – quem diria?! – estão escorraçando para longe do Mestre as criancinhas barulhentas como maritacas em migração. E os marmanjos incomodados tentam impedir que os pequeninos se aproximem e sejam abençoadas pelo Senhor. Seria esta uma nova forma de “profanação”?

Parece que sim. Profanação semelhante àquela que os pais cometem quando entregam friamente seus pequeninos nos braços da TV corruptora… Profanação não muito diferente daquela que os educadores cometem quando deixam os pequeninos crescerem sem serem apresentados a Jesus… Profanação quando os mais velhos acostumam, desde cedo, seus pequenos a se vestirem mal, sem pudor, sem ver o seu próprio corpo como um Templo do Espírito Santo…

Não sei se seria a hora de nos perguntarmos: “Como estará Jesus diante de tudo isso? Estará feliz? Ou terá novo acesso de indignação diante de nossas atitudes? Precisará improvisar um novo chicote?”

Não faz muito tempo, o pão era sagrado. Se caía ao solo, era recolhido beijado. Não faz muito tempo, as mães eram sagradas. Os filhos tomavam-lhe a bênção ao levantar e ao deitar. Não faz muito tempo, as paredes eram sagradas. A folhinha do Sagrado Coração regia o tempo da família, bem ao lado da Santa Ceia e do Anjo da Guarda. Não faz muito tempo, o lar era sagrado. Ali não entravam certas revistas, certos filmes, certa literatura. Antes, era o lugar onde a família se reunia para rezar o terço de Nossa Senhora. Agora, o pedestal foi cedido para a TV…

Não faz muito tempo, é verdade… Mas parece que faz tanto tempo! Como será que o tempo correu assim tão depressa? Como foi que nós perdemos a antiga capacidade de nos indignar? Como foi que a presença palpável de Jesus Cristo acabou por se tornar invisível para todos nós?

Orai sem cessar: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor!” (Js 24, 15)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

santini@novaalianca.com.br www.novaalianca.com.br

****************************************

Comentário ao Evangelho do dia feito por:

Bem-Aventurado Guerric de Igny (c. 1080-1157), abade cistercense
1º sermão para a Natividade (a partir da trad. SC 166, p. 167 rev.)

Acolher o Reino de Deus à maneira de uma criança

Um Menino nasceu para nós: o Deus de majestade aniquilou-Se a Si próprio, tornando-Se semelhante, não apenas ao corpo terreno dos mortais, mas ainda à idade das crianças, imbuído de fraqueza e pequenez. Bem-aventurada infância, cuja fraqueza e simplicidade são mais fortes e mais sábias que todos os homens! Porque a força e a sabedoria de Deus realizam verdadeiramente aqui a Sua obra divina através das nossas realidades humanas. Sim, a fraqueza desta criança triunfa sobre o príncipe deste mundo; quebra os nossos laços e liberta-nos do cativeiro. A simplicidade deste Menino, que parece mudo e privado da palavra, torna eloquente a linguagem das crianças; Ele fala a linguagem dos homens e dos anjos. […] Esta criança parece ignorante, mas é Ela que ensina a sabedoria aos homens e aos anjos, Ela que é na verdade […] a Sabedoria de Deus e o Seu Verbo, a Sua Palavra.

Ó santa e suave infância, tu que restituis aos homens a inocência verdadeira, graças à qual, em qualquer idade, podemos regressar à bem-aventurada infância e assemelharmo-nos a ti, não pela pequenez do corpo, mas pela humildade do coração e pela doçura do comportamento! Certamente que vós, os filhos de Adão, que sois tão grandes aos vossos olhos […], se não vos converterdes e não vos tornardes como esta criancinha, não entrareis no Reino dos céus. «Eu sou a porta do Reino», diz esta criancinha. Se o homem não se abaixar, esta humilde porta não o deixará entrar.

Anúncios
Esse post foi publicado em Geral. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s